Meus PedidosMeu Cadastro

Óleo Vegetal de Jojoba 30 ml

Óleo vegetal 100% puro da planta Simmondsia chinensis
12727
Opinião dos Consumidores:50
Pontos Fidelidade:

Por: R$ 90,00ou X de

Confira as Condições de Parcelamento
AdicionarRemover
Comprar
Descrição
O óleo vegetal de Jojoba é um produto natural, 100% puro e sem conservantes.

Produto Vegano - livre de testes em animais e ingredientes de origem animal.

Não possui em sua composição: Parabenos, Sulfatos, Corantes, Silicone ou Essências artificiais.

Embalagem: Vidro âmbar contendo 30 ml de óleo vegetal.

Tipo de Extração: O Óleo Vegetal de Jojoba é extraído das sementes da Simmondsia chinensis por prensagem a frio.

Sinônimos: joba; yoyoba, etc.

História da Planta:

No ano de 1763 podemos conhecer através de um sacerdote jesuíta, Padre Junípero Serra, a utilização da jojoba pelos nativos americanos, que habitavam o deserto do Arizona, estes a utilizavam na forma de unguento para diversas infecções da pele, cuidado com os cabelos, como alimento, etc.

Posteriormente, outros missionários católicos, como o Padre Eusébio Kino, descreviam os frutos da jojoba como fundamental para alimentação e medicinas indígenas. A denominação de Simmondsia se deve a descrição efetuada pelo botânico T. Simmonds falecido em 1805.

A jojoba tem crescido selvagem nos desertos do Sudoeste dos Estados Unidos por centenas de anos sem ter sido notada pela maior parte do mundo. Apenas as tribos nativas estavam interessadas em colher o grão e usar seu precioso óleo no tratamento dos cabelos e disfunções da pele. Era prática comum usa-lo também no tratamento de ferimentos. Devido a sua tolerância a temperaturas extremamente elevadas, ele era um óleo ideal para cozinha. Outras utilidades eram extraídas de seu grão, que era moído para preparar uma bebida similar ao café e prover farinha para fazer o pão.

Hoje os cientistas têm pesquisado as aparentemente ilimitadas possibilidades desta fonte natural. Sua versatilidade está refletida na produção de uma vasta linha de produtos: cosméticos, velas, lubrificantes, pneus e diminuidores do apetite. Continuam as pesquisas sobre sua aplicação para fins farmacêuticos.

Desde que os grãos da jojoba provêm, em sua quase totalidade, de áreas agrestes e são colhidos à mão, o seu custo torna-se elevado. Apenas a indústria de cosméticos está decidida a pagar tal preço por este ingrediente extremamente puro e de alta qualidade. Sendo não tóxico, não irritante e quimicamente estável, o Óleo de jojoba vale o seu preço.

A semelhança do óleo de Jojoba com o óleo de Cachalote (baleia) é uma das surpresas mais agradáveis da natureza. Não há outro óleo no reino animal como o óleo de Cachalote, e por essa razão, ele tem sido usado por dezenas de anos pela indústria cosmética. Porém, há um outro óleo equivalente, encontrado no reino vegetal – o óleo de Jojoba; os dois são praticamente idênticos, quimicamente falando. De fato, o óleo de Jojoba tem se mostrado até superior em diversos aspectos. A esperança é que o uso do óleo de Jojoba possa, em alguns anos, eliminar o uso do óleo de Cachalote, evitando assim sua matança e ajudando na preservação da espécie.

Lavijero, um antigo explorador espanhol, relatou sobre o uso da Jojoba por volta de 1789, afirmando que era utilizado para vários fins medicinais e para cozinhar.

O Dr. T. K. Miwa, do laboratório de pesquisas regionais do Nordeste e do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, relatou, em 1977, que o óleo de Jojoba era quimicamente mais puro que a maioria dos produtos naturais.

Rita Sandres, jornalista, fez menção as pesquisas de vários escritores que discorrem sobre as propriedades da Jojoba, na restauração capilar (Sanders, 1930; Escobar, 1935; Marinez, 1959; Warth, 1956; Balls, 1962).

O uso da Jojoba no tratamento de várias disfunções é claramente instituído entre várias tribos, incluindo os Yaquis, Papagos, Apaches, Pimas, Seris, Kilawas, Coras e Yavapais. Os jornais particulares de T. D. Thurmon, enquanto lidando principalmente com as lendas sobre a planta Aloe Vera, prova o uso da Jojoba entre os Astecas e os Maias. Suas notas indicam o uso de Jojoba como óleo cerimonial.

Aspectos Botânicos:

Se trata de um arbusto oleaginoso pertencente a família das Buxáceas, caracterizado por apresentar vários ramos e folhas simples, opostas, ligeiramente lanceoladas ou oblonga-ovaladas. A cor das folhas é verdes grisáceas, seu comprimento em torno de 2,5cm. Na primavera aparecem as flores pequenas e sem pétalas – as masculinas são amarelas, e as fêmeas são verde pálidas, os frutos são cápsulas ovoides.

A jojoba é nativa de regiões desérticas correspondentes dos territórios Mexicanos da Baixa Califórnia e Sonora, e dos territórios Norte-americanos do Arizona e Califórnia. Este arbusto tende a desabrochar os solos soltos, de escassa fertilidade, mas com boa drenagem, requerendo condições pluviais mínimas entre 250 a 400 mm anuais. A jojoba é muito resistente a salinidade e suporta bem as variações térmicas de grande magnitude.

Na Argentina começou a cultivar nas províncias de Catamarca e La Rioja a partir de 1980, favorecido pela lei nacional 22.021. Na década de 90 os cultivos receberam um forte incremento, sobretudo na província de La Rioja aonde funciona a primeira planta industrial de extração do óleo de jojoba. O óleo é uma espécie de cera liquida obtida por extração com solvente dos frutos; a cor é amarelo, inodoro e atóxico – não é volátil e não apresenta “ranço”. Devido a sua pureza, praticamente não requer processamento físico e químico posterior – apresenta grande estabilidade frente ao calor e a oxidação, permanecendo estável nas configurações frente as temperaturas extremas como 360ºC durante 96 horas continuas.

Principais Compostos:

As sementes contêm em torno de 45-50% de uma mescla líquida a temperatura ambiente composta principalmente por ésteres de C20 e C22, que por hidrólise produzem – ácido eicosenóico, ácido erusico, ácido mirístico, ácido docosenóico, simmondsina, álcoois – eicosonol e decosonol, etc.

Os óleos vegetais são substâncias naturais extraídas de plantas de diversas partes do mundo. Desta forma, podem existir variações em seus aromas e compostos.

Modo de uso dos óleos vegetais:

Ideal para utilizar como veículo de diluição dos óleos essenciais ou puro.

Dosagem Aproximada

Massagem Corporal: 30 mls por uso

Massagem Facial: 5 mls por uso

Massagem Capilar: 5 mls por uso

A By Samia não se responsabiliza pelo uso indevido dos produtos aqui vendidos.
Siga @bysamiaaromaterapia no Instagram