Meus PedidosMeu Cadastro

Óleo Vegetal de Calêndula 30 ml

Óleo vegetal 100% puro da planta Calêndula officinalis flower
10709
Opinião dos Consumidores:50
Pontos Fidelidade:

Por: R$ 32,71ou X de

Confira as Condições de Parcelamento
AdicionarRemover
Comprar
Descrição
O óleo vegetal de Calêndula é um produto natural, 100% puro e sem conservantes. Produto Vegano - livre de testes em animais e ingredientes de origem animal. Não possui em sua composição: Parabenos, Sulfatos, Corantes, Silicone ou Essências artificiais. Embalagem: Vidro âmbar contendo 30 ml de óleo vegetal. Tipo de Extração: O Óleo Vegetal de Calêndula é extraído das flores da Calêndula officinalis flower pelo processo de maceração. Sinônimos: Calêndula, virreina, clavel de muerto, marquesita, china, marigold ou ringflower (Ingl), cappuccina dei campi o calenzola (Ital), souci dês jardins (Franc), maravilha (Port), copetuda (Cuba), bem-me-quer, malmequer, malmequer do campo, margarida dourada, etc. História da Planta: As virtudes medicinais e colorantes da calêndula foram conhecidas desde a antiguidade, em especial pelos árabes e hindus, sendo posteriormente cultivada pelos gregos – estes últimos só a usavam para adornar seus festivais com flores de calêndula, assim como colares para seus heróis. Sua denominação botânica provem do latim, “kalendulae”, que representa o primeiro dia de cada mês do calendário romano, em virtude que esta planta floresce na maioria dos meses do ano. Os romanos a denominavam de “solsequium”, que significa “seguidora do sol” – já que suas flores se abrem no nascer do sol e se fecham no por do sol. Suas pétalas secas foram empregadas como substituto do açafrão – tanto por gregos como romanos, devido ao alto custo deste condimento. Na Idade Média foi muito empregada, sendo recomendada pela Abadessa Hildegarde de Bigen (1099 – 1179) como tratamento de inflamações dérmicas. Foi considerada como espécie de alto valor terapêutico por Albertus Magnus (1193 – 1280) sendo incorporada em todos os textos herbários da época. O padre Sebastian Kneipp (1821 – 1897) recomendava a aplicação externa de calêndula em úlceras, varizes e inflamações dérmicas de todo tipo. Tanto durante a Guerra Civil Norte Americana, como durante a 1ª Guerra Mundial - se empregava unguentos e pomadas a base de calêndula, como antiinflamatória e antisséptico de feridas. Vários informes citam a exportação de grandes quantidades de calêndula cultivada em Sussex (Inglaterra) para hospitais de campanha situados na França. Devido seus flósculos (florezinhas que formam o miolo da flor) se assemelham os raios de gloria, esta flor foi consagrada e reverenciada por seguidores da Virgem Maria. Atualmente na Índia, de acordo com uma tradição, faz-se guirlandas com flores de calêndula em homenagem as divindades Mahadevi e Durga, e também é a escolhida na hora de adornar as “piras funerárias” antes de serem incineradas. A Respeito da coloração de suas flores, na Mitologia grega faz-se referencia a Diana. Irmã de Apolo, a qual encontrou suas serventes discutindo pelo amor de seu irmão, esta situação a enfureceu de tal forma que converteu todas elas em calêndulas – desta maneira se associa a cor amarelo-alaranjado a este tipo de comportamento. Aspectos Botânicos: Se trata de uma planta da família das Compositae ou Asteraceae, caracterizada por apresentar uma altura a cerca de meio metro; talos eretos e ramificados; folhas oblongo lanceoladas, pilosas por ambas as faces; inflorescências grandes, de forte tonalidade laranja ou amarelo forte, que aparece durante grande parte do ano. O fruto é um aquênio espinhoso. Possui um cheiro forte, não desagradável. A calêndula é oriunda da região mediterrânea (alguns pensam que provem do Egito), e se encontra amplamente distribuída pelo mundo todo como planta ornamental. No geral é cultivada tolerando todo tipo de solo, preferencialmente argilosos. Para cultivar calêndulas, você vai precisar de um elemento básico – Luz do sol. Principais Compostos: Abundante em mono e sesquiterpenos oxigenados – carvona, geranil, cetona, mentona, isomentona, cariofileno, alfa e beta iononas, pedunculatina – carotenoides: calendulina, caroteno, licopeno, rubi xantina, viola xantina, zeína, outros: ácido málico, mucilagem, resina, goma, substância amarga (calendina), taninos, ésteres, ácido salicílico, etc. Os óleos vegetais são substâncias naturais extraídas de plantas de diversas partes do mundo. Desta forma, podem existir variações em seus aromas e compostos. Modo de uso dos óleos vegetais: Ideal para utilizar como veículo de diluição dos óleos essenciais ou puro. Dosagem Aproximada Massagem Corporal: 30 mls por uso Massagem Facial: 5 mls por uso Massagem Capilar: 5 mls por uso A By Samia não se responsabiliza pelo uso indevido dos produtos aqui vendidos.
Siga @bysamiaaromaterapia no Instagram